Literatura

1. A Guerra Colonial e o Romance Português

1ª e 2ª Edições ::: 1998

Uma escrita "enérgica e eminentemente sedutora" e "de uma erudição substancial e sempre agilmente manipulada"
Eugénio Lisboa, Prefácio

Um livro "cruel, inteligente, subtil"
Lídia Jorge, em debate

Rui de Azevedo Teixeira, a quem se deve o melhor estudo de conjunto nesta matéria, o já citado, "A Guerra Colonial e o Romance Portugês" (...) Numa página extremamente dura, Azevedo Teixeira analisa essa auto-flagelação maniqueísta, de um esquerdismo sectário e, à sua maneira, racista, para concluir:"a corrente maioritária da literatura sobre a Guerra Colonial produzida após o fim da mesma mostra-se basicamente não como arte mas como emotivo trabalho político, como exercício na hermenêutica da política racial de esquerda (ou de direita na linha dominante durante a guerra)".
Vasco Graça-Moura, "Lusitana Praia" (pp. 252-253)

1. A Guerra Colonial e o Romance Português

3. Os escritores e a guerra

.

Ensaio de Rui de Azevedo Teixeira
Textos de Agustina Bessa-Luís, Gastão Cruz, Helena Marques, Hélia Correia, Lídia Jorge, Mário de Carvalho, Possidónio Cachapa e Vasco Graça Moura.

3. Os escritores e a guerra

4.1. O Aquiles Lusitano do Século XX

.

Cantou Ópera no S. Carlos.

4.1. O Aquiles Lusitano do Século XX

4.3. ALPOIM CALVÃO por RUI DE AZEVEDO TEIXEIRA

SOL, 27 de Dezembro, 2013

"Uma figura de outra galáxia", "um Titã", "o maior português vivo"...
Escrever três vezes sobre o mesmo tema sem nos repetirmos é muito difícil mas com o meu saudoso Cocoana foi fácil tal a riqueza da sua personalidade e da sua vida.

4.3. ALPOIM CALVÃO por RUI DE AZEVEDO TEIXEIRA

6. Jornada de África de Manuel Alegre

Texto introdutório meu

"Primeiro romance de Manuel Alegre, "Jornada de África" é um pequeno milagre de mutabilidade - a cada releitura surgem novas camadas de sentido, ressonâncias novas, ampliações luxuosas. A maior não satisfação de expectativas, o estranhamento maior, deste romance, que tem por cenário o eclodir da guerrilha em Angola, possui um traço inquietante, paredes meias do unheimlich freudiano - o protagonista Sebastião..."

6. Jornada de África de Manuel Alegre

8. Uma Proposta de Cânone

Julho de 2005

 

 

 

8. Uma Proposta de Cânone

10. "O Amor (im)possível"

.

SE
Se, ao menos, nos teus olhos visse a outra
a quem, quando te entregas,
eu me dou...

10.

12.1 O Leitor Hedonista

.

Texto sobre o grande romance "Adeus, princesa" de Clara Pinto Correia.

12.1 O Leitor Hedonista

12.3 O Leitor Hedonista

.

Texto sobre Vasco Pulido Valente, que, infelizmente, vai acertando cada vez menos e perdendo substância, e, felizmente, lá vai mantendo o seu estilo.

12.3 O Leitor Hedonista

12.5 O Leitor Hedonista

.

Texto sobre o pintor moçambicano, fumador de charutos Cohiba e antigo magaíça Estevão Mukavele.

12.5 O Leitor Hedonista

13. Revista Vértice

.

Sobre "As máscaras sobre o fogo" de Domingos Lobo, autor galardoado com o Prémio Cidade de Almada 2009 e o Prémio de Teatro Bernardo Santareno.

13. Revista Vértice

2. A Voz da Póvoa

.

Debate com Lídia Jorge, Rui de Azevedo Teixeira, Eugénio Lisboa e Carlos Vale Ferraz

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

2. A Voz da Póvoa

4. A Guerra e a Literatura

1ª Edição ::: 2001

4. A Guerra e a Literatura

4.2 Alpoim Calvão, um Grande de Portugal

Semanário - O DIABO

Foi um extraordinário coleccionador de arte, tendo oferecido peças, entre outras instituições, ao Museu de Arte Antiga e ao Museu da Marinha.

4.2 Alpoim Calvão, um Grande de Portugal

5. Jaime Neves por Rui de Azevedo Teixeira

.


Luís Aguiar, funcionário do Ministério da Agricultura, do “meu” Curso de Comandos:
         “Li o livro de um sopro. Uma vívida, pitoresca e colorida descrição dos Portugueses deste período. Ensina Portugal tanto aos crescidos como aos putos”(…).

Manuel Ferreira da Silva, cruz de guerra, coronel comando, herói de Gadamael, bibliófilo, advogado:
          
“Muito me sensibilizou”(…).

José Ferreira, licenciado em Letras, alto funcionário do Ministério das Finanças, camarada do “meu” Curso de Comandos:
       “Transmite, de uma forma que parece muito natural, o que, na verdade, é uma série impressionante de dados reais, envolvendo outras pessoas com o percurso de Jaime Neves”.

João Cabral, marketeer:
       “Bom Livro, bom e digno Livro”.

Eduardo Varandas, arquitecto, antigo elemento da CCS do Centro de Instrução de Comandos/Luanda:
       “Obra literária que nos dá uma visão detalhada e desenvolvida com mestria sobre uma personagem”.

Manuel Ferreira “Flash”, ex-fuzileiro, arquitecto paisagista e engenheiro agrónomo:
       “Que descrição do homem e da sua “tribo”! Grandioso livro a transbordar a epopeia…”

José Pestana, coronel
       “… a biografia do Autor que nos ajuda a esclarecer o porquê da sua capacidade de coligir de forma coerente e realista, factos de ordem tão diversa numa crónica brilhante globalmente sintética e por vezes mordaz”.


Jaime Froufe Andrade, jornalista, cruz de guerra, Prémio Governador Geral de Moçambique:
       “Desde “Os Centuriões” do Jean Lartéguy que não lia com tanto gosto e prazer um livro com a ambiência muito própria das armas… Vida à flor da pele e muita aventura”.

Luís Athayde, ex-oficial da PM, empresário hoteleiro, dono do antigo Hotel Atlântico, no Monte Estoril, e actual dono do Hotel Avenida Palace, Rossio
      
“O teu livro já não é teu: é de todos os comandos, de todos os patriotas”.

Vasco Teixeira, professor, economista, doutorando em Ciências da Educação:
      
“Não sei se admire mais a magnífica escrita se a personagem histórica que trata”.

Celeste Martins, empresária têxtil:
        "Parabéns Professor Rui de Azevedo Teixeira pela sua capacidade de "me levar consigo" até aos lugares mais recônditos da vida de JN, vida repleta de peripécias, de violência mas também de Humanismo, de amores passageiros, até conhecer aquela que seria a sua importantíssima companheira para todo o sempre."

5. Jaime Neves por Rui de Azevedo Teixeira

7. Sobre Manuel Alegre - Visão

.

"E esta «saudosa» língua será sempre, para Manuel Alegre, conduzida pelos líricos, iluminada pela sua manifestação mais elevada, a poesia."

7. Sobre Manuel Alegre - Visão

9. Prefácio a "Nó Cego" de Carlos Vale Ferraz

.

"Tenha ou não passado pela guerra de África, tenha ou não vivido num tempo em que havia, além de uma Pátria, um império, Nó Cego, caro leitor, só lhe dá duas hipóteses: ou não o lê, ou, então, tire dois dias, seguidos, para o ler."

9. Prefácio a

11. O Fim do Império e a Novelística Feminina

::: 2004 :::

Texto para Disciplina de Mestrado em Estudos Portugueses.

11. O Fim do Império e a Novelística Feminina

12.2 O Leitor Hedonista

.

Texto sobre Paulo Castilho, que tem mantido uma exemplar postura no saco de egos que é o mundo literário.

12.2 O Leitor Hedonista

12.4 O Leitor Hedonista

.

Texto sobre o crítico literário e pop star judeu alemão Marcel Reich-Ranicki.

12.4 O Leitor Hedonista

12.6 O Leitor Hedonista

.

Arguição da tese de doutoramento de Dionísio Vila Maior, orientada por Carlos Reis, sobre Fernando Pessoa (e Almada Negreiros, Mário de Sá-Carneiro, António Ferro).

12.6 O Leitor Hedonista